9 de ago de 2011

Coito

Seja a tinta o esperma.
Seja o sêmen
que despeja o pênis/pena
sobre a página vazia.
Seja a página a vagina
que o acolhe.
Que gera o poema.
Seja o poema sua prole.

Um comentário:

Cecilia Ferreira disse...

É incrível a facilidade,correta, com diz, tranquilo, as coisas que para os outros pareceriam indizíveis.
Bj