26 de jun de 2012

Ocaso, FF


Um sol vermelho
despenca --
como uma kombi sem freio
caindo da ponte --
e atinge em cheio o horizonte.

Um comentário:

Sônia Barros disse...

Um poema que atinge em cheio. A alma!
Um abraço.