27 de out de 2009

Subreal

Escrever um poema catarse,
rasgar, com pena de aço,
a pele fina do lado
de dentro do braço.
Escrever um poema vermelho:
copiar em sangue e pus
a imagem no espelho
de olhos de cão andaluz.

5 comentários:

Ana disse...

Adorei!

Maria Júlia Pontes disse...

porra!
surreal, eu não vi o original "Cão andaluz" mas só de saber sobre, me veio a imagem na hora.


DA li <<< talves o título.
pitaco.
bjo

Estela Z. disse...

It's been quite some time since I last came here. Yesterday, though, I decided to check what you'd been writing...and then I noticed something I already knew: I cannot get away from your blogs for so long anymore. I even had to restrain myself not to write "loved it!" in any new poem I read. Congrats, Allan. Cheers!

Rosangela Aliberti disse...

Olá Allan, li algo sobre suas traduções do Yeats no BDE, e acabei me perdendo no seu espaço... muito bom por sinal (ainda não conhecia) muitos de seus poemas são para divulgar e guardar, um achado! Beijo meu, Rô

Allan Vidigal disse...

Valeu gente.
Estela, hope you keep droppin' by every now and then.