6 de set de 2010

Barbaridades

Conhecermo-nos na cama tu e eu de olhos vendados,
descobrirmo-nos no escuro pelo toque, em Braille, às cegas.
Te fazer gritar e, após, enquanto em gozo ainda ofegas,
começar tudo de novo, mas, agora, do outro lado.

Despejar sobre o teu corpo mel e leite condensado,
explorar, com boca e língua, cada dobra, curva e prega,
e jamais nada negar a quem jamais nada me nega:
oras, bolas, convenhamos, o que pode haver de errado?

Ter-te assim não sabe a vício, baixaria, nem maldade.
Desbravar a tua pele, conhecer cada orifício,
mapear o teu prazer e toda a tua anatomia --

é normal para um casal que tanto ama ter vontades.
E os pudicos que criticam e que dizem ver mal nisso,
não os culpo: sinto pena. Têm inveja, é o que eu diria!

7 comentários:

Flá Perez (BláBlá) disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Flá Perez (BláBlá) disse...

hummmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmm!

Flá Perez (BláBlá) disse...

amor só se decide se foi verdadeiro a beira da orte, rsrsrs

bjbjbj

Lúcia Gönczy disse...

Barrrrbaridade!!!!

Cicilita disse...

Que diria uma tia
sobre tão manifesta
lição de viço, cio,
sensual anatomia...

...ainda que poeta,
e certa das liberdades
que cabem à poesia,
os dedos tamborilando,
nem catamilhando
em muitos, e tais, dicionários
a pobre se expressaria.

A coitada já é tia!


Allan! Que lindo.
Chhh, nem vou dizer do escândalo, a categoria invejosa não me cai bem! r*** Bj

HAMILTON BRITO... disse...

Cecília, catamilhando é neologismo? cacete, depois daquela poesia do hematopoi...e qualquer coisa, agora catamilhando. Tá certo. Ô Allan, quem criticar ou negar a validade deste embate, esteja certo: ou é covardia por não poder fazer lo mismo ou o viagra não funcionou.

Flá Perez (BláBlá) disse...

*morte.


agoras, lendo melhor, esse braille foi de dar inveja!